Bem Vindos

Bem Vindos

Você que tem um trabalho de ciências que e dicultoso.
Venha e visite meu blog do google.
Fala do Corpo Humano,Meio Ambiente e etc...

Não fique perdendo a cabeca com o trabalho de ciências,eu resolvo!

sábado, 21 de junho de 2008

PÂNCREAS

Pâncreas, órgão dentro do corpo que desempenha um importante papel na digestão da comida, também produz a insulina, o principal químico no corpo responsável pelo equilíbrio dos níveis de açúcar no sangue.

Este informativo define o pâncreas e descreve em linhas gerais que problemas podem lhe ocorrer.

Localização
O pâncreas mede 10 polegadas e localiza-se atrás do estômago, no lado esquerdo do corpo. Seu formato é parecido com o de um girino, com uma cabeça e uma cauda longa. A cabeça é achatada no intestino, dentro do qual o estômago esvazia os alimentos parcialmente digeridos. O pâncreas também é conectado ao fígado e ao intestino.

Função do pâncreas
O pâncreas produz químicos chamados enzimas. Estas são essenciais à digestão dos alimentos, pois os quebram em partículas bem pequenas, o que facilita a absorção pelo organismo.

As enzimas são produzidas em pequenas glândulas no pâncreas e, depois, circulam pelo órgão dentro da primeira parte do intestino. Os sucos digestivos produzidos no pâncreas não são ativos até que tenham alcançado o intestino. As principais enzimas produzidas pelo pâncreas são a amilase, importante na digestão dos carboidratos (alimentos, como pão e batatas), a tripsina, que digere proteína (desde carne, queijo, leite e legumes, como grãos) e a lipase, que digere a gordura.

A glicose consiste na fonte de energia do corpo. Seu nível é controlado pela insulina, também produzida no pâncreas. Se o órgão não está trabalhando adequadamente e não está produzindo insulina como deveria, então uma condição chamada diabetes pode desenvolver.

Pancreatite
A pancreatite é uma inflamação do pâncreas, uma condição potencialmente muito séria. Às vezes, é observada em pessoas com HIV e pode ser causada por alguns medicamentos anti-HIV ou outras medicações. Entretanto, a pancreatite é mais comumente causada por ingestão de álcool em demasiado.

Os sintomas incluem enjôo e dor, podendo ser muito grave, na área onde há a junção das costelas com meio do peito. A barriga também pode estar bem macia e dolorosa ao tocar. Se o pâncreas deixa de trabalhar apropriadamente, a comida não será digerida adequadamente, o que pode causar perda de peso e diarréia. Esta é clara e com mau cheiro devido à gordura não digerida.

O medicamento anti-HIV ddI pode causar pancreatite. Muito raramente, medicamentos anti-HIV da mesma categoria do ddI (NRTIs – inibidores de transcriptase reversa nucleosídeos) levam também à pancreatite. As pessoas que apresentam outros fatores de risco para o desenvolvimento da pancreatite, particularmente o beber em demasiado e contagem de células CD4 muito baixa, possuem risco maior de desenvolver pancreatite se estiverem tomando ddI. Além disso, as pessoas que estão recebendo, ao mesmo tempo, tratamento para HIV ? incluindo o ddI ? e tratamento para hepatite C parecem apresentar mais risco de desenvolver a condição.

Em algumas pessoas, a pancreatite não causa mais do que sintomas muito leves ou mudanças nos níveis de enzima, as quais só podem ser detectadas com exames de sangue. Entretanto, em casos mais extremos, a pancreatite pode ser fatal. Em algumas pessoas, um ataque inicial de pancreatite possivelmente causará danos e levará a uma doença de longo prazo chamada pancreatite crônica.

Exames
Exames de sangue podem ser feitos para detectar mudanças nos níveis das enzimas produzidas pelo pâncreas. Raios-X, imagens e ultra-sonografias podem ser usados para saber se o pâncreas inflamou e aumentou. Em pessoas com pancreatite crônica, um exame de ERCP (colangiopancreatografia retrógrada endoscópia) pode ser realizado. Este envolve passar uma câmera extremamente pequena através da boca e dentro do pâncreas para examiná-lo.

Medicamentos
Dependento da gravidade do ataque de pancreatite, pode ser necessária medicação para ajudar a controlar a produção de enzima e insulina. Também pode ser preciso que a pessoa se interne em um hospital a fim de obter fluidos intravenosos para prevenir desidratação, possivelmente causada por vômito e diarréia.

Medicamentos para controlar a dor também podem ser necessários, como antiinflamatórios, por exemplo, o naproxeno.

Se o ddI está lhe causando pancreatite, então o medicamento deve ser interrompido e trocado por um outro.



Pâncreas
Os principais hormônios do pâncreas são a INSULINA e o GLUCAGON. Eles são responsáveis pelo controle plasmático de glicose.

Insulina
A insulina numa hiperglicemia
Facilita o transporte da glicose para dentro das células, especialmente as musculares e dos tecidos conectivos; sua principal função é reduzir a quantia de glicose circulante no sangue. Mas também está envolvida no metabolismo de proteínas e gorduras.

Glucagon
O glucagon numa hipoglicemia
Promove a quebra do glicogênio hepático em glicose (glicogenólise) e a gliconeogênese. Ambos processos aumentam os níveis de glicose plasmática.

Efeitos do exercício e treinamento
Durante o exercício (mais de 30 min.), os níveis de insulina tendem a cair, apesar da concentração de glicose manter-se relativamente constante. Pesquisas têm demonstrado que o número ou a eficiência dos receptores de insulina aumentam durante o exercício, aumentando a sensibilidade à insulina.

O glucagon, por outro lado, mostra um gradual aumento, para manter a concentração de glicose no sangue.



PÂNCREAS
O pâncreas é um órgão que contém dois tipos básicos de tecido: os ácinos, produtores de enzimas digestivas, e as ilhotas, produtoras de hormônios. O pâncreas secreta enzimas digestivas ao duodeno e hormônios à corrente sangüínea. As enzimas digestivas são liberadas das células dos ácinos e chegam ao ducto pancreático por vários canais. O ducto pancreático principal une-se ao ducto biliar comum no esfíncter de Oddi, onde ambos drenam para o interior do duodeno.

As enzimas secretadas pelo pâncreas digerem proteínas, carboidratos e gorduras. As enzimas proteolíticas, que quebram as proteínas em uma forma que o organismo possa utilizar, são secretadas em uma forma inativa. Elas são ativadas somente quando atingem o trato digestivo. O pâncreas também secreta grandes quantidades de bicarbonato de sódio, que protege o duodeno neutralizando o ácido oriundo do estômago. Os três hormônios produzidos pelo pâncreas são a insulina, que reduz o nível de açúcar (glicose) no sangue; o glucagon, que eleva o nível de açúcar no sangue; e a somatostatina, que impede a liberação dos dois outros hormônios.


PÂNCREAS
O pâncreas é uma glândula digestiva de secreção interna e externa, de mais ou menos 15 cm de comprimento e de formato triangular, localizada transversalmente sobre a parede posterior do abdome, na alça formada pelo duodeno, sob o estômago. O pâncreas é formado por uma cabeça que se encaixa no quadro duodenal, de um corpo e de uma cauda afilada. A secreção externa dele é dirigida para o duodeno pelos canais de Wirsung e de Santorini. O canal de Wirsung desemboca ao lado do canal colédoco na ampola de Vater. O pâncreas comporta dois órgão estreitamente imbricados: pâncreas exócrino e o endócrino.


Esquema do Pâncreas

Pâncreas Exócrino
O pâncreas exócrino secreta enzimas digestivas, reunidas em estruturas denominadas ácinos. Os ácinos pancreáticos estão ligados através de finos condutos, por onde sua secreção é levada até um condutor maior, que desemboca no duodeno, durante a digestão.

Pâncreas Endócrino
Secreta os hormônios insulina (quando não é produzida em quantidade suficiente, dá origem a diabetes) e glucagon (hormônio com a regulação dos níveis de açúcar no sangue), reunidas em estruturas denominadas Ilhotas de Langerhans, cujas células beta secretam a insulina e as células alfa secretam o glucagon.

Os hormônios produzidos nas ilhotas de Langerhans caem diretamente nos vasos sangüíneos pancreáticos.

Doenças
O pâncreas pode ser atingido por inflamação (pancreatite), por tumores, cálculos, cistos e pseudocistos (bolsas líquidas, geralmente conseqüentes a traumatismo); algumas dessas alterações desempenham importante papel na gênese do diabete.



PÂNCREAS

O pâncreas é uma glândula endocrina retroperitoneal situado póstero inferior ao estômago, que realiza duas funções:

Exócrina - produz o suco pancreático, que contém enzimas digestivas:

protease, para digestão das proteínas
lipase, para digestão dos lipídios
amilase pancreática, para digestão do amido
nuclease, para a digestão dos ácidos nucléicos
O suco pancreático é rico em iões bicarbonato. Estes iões têm como função diminuir a acidez do Quimo, que vem do estômago, tornando-o alcalino (pH 8.0). Os iões fazem que o pH passe de 2.0(ácido) para 8.0 (alcalino).

O suco pancreático é liberado através das ações das hormonas secretina e colecistocinina a sua libertação é feita pela papila maior que está situada na porção descendente do duodeno (D2).

Endócrina
Produz vários hormônios importantes, como a insulina e o glucagon. O pâncreas endócrino é composto de aglomerações (clusters) de células especiais denominadas ilhotas de Langerhans. O "cansaço" crónico destas células leva ao aparecimento da diabetes no pâncreas.

No pâncreas, existem dois tipos de células especiais:
células alfa, que produzem glucagon
células beta, que produzem insulina


PÂNCREAS

Anatomia do Pâncreas

É uma massa irregular de tecido situado entre o estômago e o intestino delgado. Consta de três partes: cabeça, corpo e traseiro.

Secreta o suco pancreático que contém enzimas que intervêm na hidrolização de proteínas, gorduras, ácido nucléico e carboidratos; também secreta insulina e glucagon que verte na corrente sangüínea e é independente do suco pancreático que intervém na digestão.

Nenhum comentário:

Loading...